Óleo de Coco Nosso de Cada Dia

Nesse post falaremos um pouco do sobre o Óleo de Coco, seus benefícios (ou não) e os mitos e verdades que o envolvem.

Não conseguirei cobrir todas as propriedades dele, mas tentarei falar sobre as principais características que conheço e tentarei desmistificar algumas polêmicas.

– Um pouco da história

O Óleo de Coco é uma gordura retirada da polpa do coco maduro que é encontrado em climas tropicais e sub-tropicais.

É um óleo usado a milhares de anos por povos do mundo todo como alimento e medicamento. Alguns desses países são: India, Panamá, Filipinas, Indonésia, Nova Guiné, Samoa, Jamaica, grande parte da America do Sul, Nigéria, Tailândia.

Componente muito importante na medicina Ayurvédica, utilizado na Índia a milhares de anos para cura e prevenção de doenças.

Em Samoa, é muito utilizado para curar inflamações, como hidratante e protetor para a pele, cabelo e lábios.

Nas Filipinas, um dos maiores produtores do óleo (o que uso vem de lá e é o melhor que conheço) é usado como hidratante, em queimaduras, cortes, prevenção de doenças, para cozinhar. 
O consumo do Óleo de Coco diminuiu drasticamente desde a década de 80 principalmente pelo medo criado sobre as gorduras saturadas e colesterol.

A verdade é que desde sempre diversas culturas no mundo todo se beneficiaram do Óleo de Coco diariamente e de uma hora pra outra o substituímos por óleos de péssima qualidade.

Por questões políticas e comerciais, na década de 80 a industria da soja, começou uma guerra contra as gorduras saturadas, que já estavam sofrendo, desde a decada de 50 pressões enormes por causa de suas possíveis ligações com o aumento do colesterol e desse com problemas cardiovasculares. [Essas afirmações não só se provaram falsas como pesquisas posteriores mostraram melhoras nos fatores de riscos para doenças cardiovasculares, diabetes e outras doenças degenerativas]

Pesquisas começavam, no entanto, a mostrar evidências de que óleo de soja e outros derivados tinham uma ligação direta com o enfraquecimento do sistema imunológico, inflamações e câncer. E nada melhor do que utilizar uma já crescente polêmica sobre gorduras saturadas para tirar o foco da atenção sobre seus produtos. E foi isso que fizeram.

Nos EUA, investimentos milionários antí-gorduras saturadas junto de lobbys poderosíssimos começaram a surgir da industria dos óleos vegetais com o intuito de diminuir a competitividade dos produtos importados e tirar a atenção das evidências que denegriam seus produtos. E funcionou! Em pouco tempo o uso do Óleo de Coco como alimento caiu enormemente em vários países desenvolvidos.

Países exportadores como Filipinas, onde 1/3 da população depende da produção do coco para viver, sofreram enormemente com as diminuições das exportações.

Enquanto isso, a indústria dos óleos vegetais prospera até hoje. E nós sem sabermos, continuamos a nos envenenarmos com produtos refinados, oxidados e pró-inflamatórios. E achamos que os bons alimentos é que são os vilões. Nessa lista estão ovos, manteiga, óleo de coco e outros alimentos tão importantes para nossa saúde.

Não suficiente, ouvimos o tempo todo médicos e nutricionistas desinformados e irresponsáveis dizendo que Óleo de Coco é perigoso e que seu consumo deve ser evitado. Concordo com os que criticam as besteiras que são faladas sobre milagres de emagrecimento através de algumas capsulas de óleos de coco (em grande parte refinados)

Mas é triste e sério assistir a programas de TV e entrevistas com médicos que tem autoridade e confiabilidade para divulgar saúde e no entanto propagam desinformação e má ciência de uma forma muito irresponsável. A recomendação é realmente perigosa. Substituir gorduras saudáveis por óleos vegetais como soja, girassol, milho.

Acredito, por tudo que estudo que este é um dos grandes problemas geradores de estados inflamatórios que a longo prazo nos trarão sérios problemas e doenças.

Mas isso está mudando e desde os anos 2000 surgem mais publicações e pesquisas mostrando não só os reais e enormes benefícios das boas gorduras e em particular do Óleo de Coco. E pouco a pouco estamos voltando a reconhecer a importância dessas gorduras em nossa alimentação. Estamos entendendo que gorduras saturadas não são tão más quanto nos disseram e que pelo contrário são muito importantes para nosso organismo.

Essa foi a capa da Revista Veja da semana passada. Apesar de ainda muita timidez, já um bom passo em direção de bons e fundamentais nutrientes.

– O Óleo de Coco, por ser em grande parte gordura saturada, faz bem ou mal?

O Óleo de Coco é constituído por quase 90% de gorduras saturada, e por isso é um dos melhores, senão o melhor, óleo a ser usado para cozinhar, assim como o Óleo de Palma. Sem falar que peixes preparados com ele ficam realmente uma delícia.

Sua saturação significa que a estrutura molecular é saturada de hidrogênios, enquanto a das gorduras insaturadas não. E o que significa é que as gorduras saturadas são mais estáveis e difíceis de oxidarem do que as monoinsaturadas e polinsaturadas. A oxidação é um dos processos que gera radicais livres, que se não combatidos por anti-oxidantes geram reações em cadeias que nos envelhecem e destroem internamente, contribuindo e  inflamações e doenças .

Mais pra frente falaremos somente sobre gorduras saturadas e colesterol e isso ficará mais claro. Mas o que precisamos saber aqui é que todas as gorduras são sensíveis a calor, oxigênio e luz,  e quanto maior a saturação, maior a estabilidade e menor a suscetibilidade a esses fatores oxidativos.

E é nesse sentido que o Óleo de Coco, Óleo de Palma, Banha, Manteiga se destacam se comparados às gorduras polinsaturadas (Óleos de Soja, Milho, Girasol)

Os outros óleos vegetais, devido as suas composições químicas e formas de extração são péssimos para cozinharmos pois na grande maioria  já são oxidados no seu processamento e quando os aquecemos se tornam piores. Até mesmo o Azeite Extra Virgem, mesmo sendo muito saudável para consumo, para cozinhar não é a melhor opção.

Por causa desses fatores, um mito péssimo para nossa saúde é achar que óleos vegetais são mais saudáveis. Muito pelo contrário!

Por serem em sua maioria, gorduras polinsaturadas, deviam ficar muito longe do calor, oxigênio e luz.

Uma das maiores recomendações que posso dar aqui é: Não use mais óleos vegetais, com exceção do Azeite de Oliva Extra Virgem e outros prensados a frio.

Quanto aos demais, jogue fora, não compre mais. Não imaginamos como estamos pouco a pouco destruindo nosso organismo com toxinas de produtos que nos são ditos saudáveis. Passe a cozinhar com manteiga sem sal, Óleo de Coco, Óleo de Palma ou se encontrar, Banha.

Precisamos entender que o lobby da indústria alimentícia é fortíssimo e desde muito tempo vemos propagandas de óleos que cuidam do nosso coração e que manteiga e gorduras saturadas irão nos matar. Uma grande mentira! Provavelmente se você perguntar a seus pais ou avós, eles lhe dirão que usavam muito óleo de coco, manteiga, banha e outras gorduras naturais. Mas infelizmente, por causa de interesses políticos e econômicos isso mudou muito, principalmente de 50 anos pra cá.

Vale falar também que gorduras saturadas e trans-saturadas não têm nada a ver uma com a outra. Na verdade, as gorduras vegetais é que se transformam nesse tipo de gordura e são utilizados pela indústria. Essas sim, são péssimas para nosso organismo e não deviam nem em pequenas quantidades serem consumidas.  E onde elas estão? Em quase tudo que é industrializado, nos óleos vegetais aquecidos e oxidados que usamos e em grande parte das margarinas.

Gráficos como esse são muito representativos pois mostram um paralelo entre a massificação dos industrializados com o declínio da saúde e o gigantesco aumento na quantidade pessoas com diabetes, obesidade, doenças cardiovasculares e outras doenças degenerativas. Será mera coincidência?

– Nem todas as Gorduras Saturadas são iguais

A gordura saturada do Óleo de Coco é constituída de aproximadamente 65% de Ácidos Graxos de  Cadeia Média.

Ácidos Graxos de Cadeia Média são moléculas menores do que as da grande maioria dos óleos vegetais que consumimos. E justamente por isso, são facilmente digeridas e absorvidas pelo nosso organismo e fornecem energia rápida e eficiente para nosso corpo sem a necessidade de enzimas pancreáticas e com menos estresse ao organismo.

Têm propriedades de cura aceitas e utilizadas por médicos e hospitais há muito tempo.

Bebês com complicações, doentes seriamente debilitados, acidentados em unidades de terapia intensiva, pessoas com problemas digestivos eram desde muito tempo suplementados com essa substância.

Querendo ou não já consumimos esses ácidos graxos, pois o leite materno proporciona esse tipo de gordura aos bebês. São eles, e principalmente um, com o nome de Ácido Láurico que protege os recém nascidos de infecções, vírus e parasitas. Por isso bebês com alguns tipos de problemas são suplementados com essas gorduras. São fáceis de serem absorvidas até mesmo por organismos debilitados ou em desenvolvimento.

Infelizmente, poucos alimentos possuem essa substância, mas uma forma excelente de obtê-la é através do óleo de coco.

– E quanto a Perda de Peso? É real?

Não da forma como é falado, mas pode-se dizer que de certa forma, sim!

Não conseguiremos perder peso tomando algumas capsulas de óleo de coco de manhã, mas existem alguns pontos bem válidos com relação a perda de peso.

Enquanto os ácidos graxos de cadeia longa (grande parte das outras gorduras vegetais) depois de digeridos serão distribuídos pelo corpo e reabastecerão também tecidos de gordura, os do óleo de coco, por serem moléculas menores, após serem digeridas vão direto para o fígado para serem transformadas em energia e em condições normais não são estocadas em forma de gordura. Viram energia rapidamente.

Além disso, o Óleo de Coco tem menos calorias do que outras gorduras o que significa que mesmo quando armazenadas, são queimados mais rapidamente. A mesma quantidade de gordura é por volta de 1\3 menos calórica do que outras gorduras.

Talvez, dizer que o óleo de coco emagreça não seja o correto, mas dependendo de como utilizado e na substituição de outras gorduras ele sem dúvida pode ajudar na redução e manutenção das reservas de gordura.

Eu, particularmente, acho que pensar nele como ferramenta para o emagrecimento é reduzir um alimento extremamente benéfico e poderoso em algo que virá como consequência de um reajuste metabólico. Que ele sim, poderá contribuir.

Mas não gaste seu dinheiro pensando em perder peso sem mudar mais nada em seus hábitos. E prefira os potes ou garrafas de óleo ao invés das capsulas.

– E quais são os outros benefícios do seu consumo regular?

O Óleo de Coco nos fornece um aumento de energia e disposição

Facilita e ajuda na absorção de nutrientes e vitaminas lipossolúveis e de minerais como cálcio e magnésio sendo útil no tratamento de osteoporose

Por ser assimilado facilmente pelas organelas que produzem energia em nossas células, beneficia o metabolismo

Fortalece o Sistema Imunológico

O Ácido Láurico, que constitui aproximadamente 50% dos ácidos graxos do Óleo de Coco é uma potente substância que mata bactérias, fungos, vírus e parasitas em nosso corpo

Favorece o bom funcionamento da Tiroide

Potencializa o processo de cura e desintoxicação em nosso organismo

Não sobrecarrega a Vesícula Biliar, Pâncreas, Estômago e Fígado como alguns tipos de gorduras

É excelente nas doenças graves intestinais como Colite, Doença de Chron

É conhecido hidratante e protetor para pele, cabelos e lábios

Ótimo hidratante para queimaduras, eczemas, psoriasis e problemas de pele

Ajuda a diminuir o Colesterol LDL, Triglicerídeos e aumentar o Colesterol HDL

É utilizado em tratamentos para intoxicação por Alumínio

É utilizado no tratamento de pessoas infectadas por microrganismos resistentes a antibióticos

É ótimo para o bom funcionamento do trânsito intestinal, tratamento de crianças com diarreia e subnutridas

Existem novas pesquisas e depoimentos de pessoas que curaram ou diminuíram muito a gravidade de doenças graves como Alzeimer e Epilepsia

Existem muitos outros benefícios e pesquisas mostrando a eficácia do uso regular do Óleo de Coco

– E de que forma comprá-lo e utilizá-lo? 

Compre de preferência em potes ou garrafas, com os rótulos informando ser Óleo de Coco Extra Virgem. Aqui no Brasil, existem poucas marcas boas no mercado e os preços ainda são altos. E tem também muita porcaria cara.

Esse é o que costumo usar. É importado das Filipinas e da melhor qualidade. Recomendo! Caso não encontre perto de onde mora, vá em lojas de produtos naturais e pergunte a respeito. Essa é uma demanda que nós consumidores precisamos criar. Com isso, aumentaremos as ofertas e opções e desceremos os preços.

Se você tem tempo e um pouquinho de paciência, eu recomendo fazer seu próprio Óleo de Coco Extra Virgem. Na internet tem vários vídeos ensinando e é bem fácil, e com certeza bem mais barato. Se não tem tempo, vale a pena comprar pois dura bastante e irá melhorar muito sua saúde a médio e longo prazo. Em breve vou experimentar fazer em casa e conto como foi.

A quantidade é dificil dizer pois dependendo do condição do seu corpo e possível presença de parasitas, que a maioria das pessoas têm e não sabe, o uso em grande quantidade pode gerar reações desintoxicantes, como diarreia, suores, eczemas etc.

O que recomendo é começar com 1 ou 1/2 colher de sopa por dia e ir aumentando até umas 2 ou 3. Lembrando que o ideal e que terá grandes benefícios associando o uso dessa gordura a uma mudança de hábitos e diminuição da quantidade de carboidratos.

– Afinal, vale a pena? 

Se têm algo que não deixo faltar no meu dia-a-dia é o Óleo de Coco.

Vale muito a pena adicionar na nossa dieta, alimentos de verdade, tradicionais e nutritivos.

Por experiência própria, posso dizer que os benefícios são sensacionais e que realmente traz uma enorme mudança para nossa vida. Há mais de 1 ano tomo óleo de coco diariamente e minha saúde melhorou muito. Principalmente o sistema imunológico, sono e energia.

Algumas Pesquisas:

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21333271 – Efeitos sobre o uso Anti Bactérias, Fungos e Parasitas.

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9618043 – Pesquisa do efeito de Ácidos Graxos de Cadeia Média sobre tumores.

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/3112488?dopt=Abstract – Outra pesquisa do efeito de Ácidos Graxos de Cadeia Média sobre tumores.

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9085020 – Pesquisa sobre uso Ácidos Graxos de Cadeia Média em bebês com alergias e problemas intestinais

Livros sobre o assunto:

Know Your Fats : The Complete Primer for Understanding the Nutrition of Fats, Oils and Cholesterol 

Eat Fat, Lose Fat: The Healthy Alternative to Trans Fats

The Coconut Oil Miracle

Anúncios

31 Respostas para “Óleo de Coco Nosso de Cada Dia

  1. Excelente post! O que falta é realmente informação e bom senso. E o que eu acho mais importante a consciência de que não existem atalhos e milagres. Bjs!

    • Que bom ver você aqui, Dani!! E legal que gostou!
      Concordo, falta muita informação e principalmente responsabilidade no que nos é dito.
      Mas o interessante é ver que hoje em dia, a informação é acessível à maioria das pessoas. Não precisamos mais confiar cegamente no que nos é dito.
      Temos ferramentas muito poderosas para estudar com segurança e cuidado sobre praticamente qualquer assunto.
      Beijos,
      Rodrigo

  2. Muito interessante seu post, mas tenho tentado usar o óleo de côco no dia a dia e tenho achado enjoativo. Como tu usas? tens algumas sugestões? Obrigada e parabéns pelo blog é excelente.

  3. Oi Ana, que bom que gostou! É ótimo ter esse feedback. :]
    Confesso que não o acho enjoativo, então para mim não é complicado.
    De qualquer jeito, é fácil incluí-lo na hora de cozinhar peixes, frangos sem deixar o gosto tão evidente para os que não gostam.
    Vejo muita gente usar com frutas também.
    Mas utilizá-lo durante as refeições é melhor já que os nutrientes trabalham em conjunto.
    Consumindo com as refeições, você potencializa a absorção de vitaminas lipo-solúveis por exemplo.
    Seja bem-vinda ao blog e até a próxima!

      • O Óleo de Coco é para ser tomado puro ou em mistura com receitas.
        A questão de ser “enjoativo “é tudo um questão de gosto e é individual. Eu, por exemplo, gosto muito do sabor de coco que ele tem.
        Já o Óleo de PALMISTE é mais usado para cozinhar, mas , não resta a dúvida, tem um perfil de ácidos graxos bem semelhante ao óleo de Coco.

  4. Adorei Rodrigo!! Confirmou todas as minhas expectativas sobre o óleo! Já venho tomando tb o óleo a algum tempo (não continuamente) porém, assim como a Ana Jaeger, fico enjoada e tenho até dor de estômago, aí para por um tempo e depois volto a tomar, será que isso seria algum processo de desintoxicação como vc disse? Bjs e parabéns por mais um excelente post!

    • Oi Rô! Com certeza lhe fará muito bem. E pode ser sim um tipo de adaptação do teu organismo, mesmo. Sentia isso quando gradualmente diminuía os carboidratos e aumentava as gorduras.
      O problema é que somos desde sempre “educados” a consumir menos gorduras, mesmo as boas. E com isso, alguns órgãos que deveriam lidar normalmente com esses nutrientes acabam não funcionando adequadamente. Um desses órgãos é a vesícula biliar, que de tanto carboidrato e pouca gordura acaba não sendo tão eficaz nas suas funções. E por isso tanta gente tem problema com ela. Desde dores até pedras.
      E isso é um exemplo de algo que pode prejudicar nossa digestão de gorduras.
      Mas fique tranquila que depois de algum tempo nosso corpo se adapta e esses enjoos passam.
      Quanto as manteigas de garrafa, confesso que nunca comprei. As que vi não tinha gostado muito de alguns aditivos e preferi manter os tabletes normais. Mais sei que existem marcas legais de Ghee.
      Se achar algo legal falo com você. E se achar algo me avise também. :]
      Beijos!

  5. Gostei muito das informações sobre o óleo de coco e vou passar o seu blog para 2 amigas que já usam o óleo meio sem saber o porquê. Parece que viram num programa que é saudável e passaram a utilizar. As nossas conversas me tiraram da cômoda posição de tomar os medicamentos sem refletir sobre as causas dos meus sintomas. Estou super atenta e agradeço muito a você por ter me alertado. Obrigada e sucesso cada vez maior! Quanto maior o sucesso do seu blog é porque mais pessoas estão acordando, se informando e levando uma vida mais saudável ! Abraço.

    • Que bom ouvir isso, Leigh!! Não imagina também como é bom pra mim conversar sobre tanta coisa interessante com pessoas inteligentes e cabeça aberta como você e o Hugo!
      Fico feliz mesmo de ver que isso está sendo útil a você e de uma coisa podemos ter certeza: Não adoecemos por falta de remédios, mas sim por falta de nutrientes ou excesso de toxinas. Ou normalmente, os dois!
      Minorias são os casos de predisposições genéticas e quanto mais se pesquisa mais se descobre que essas predisposições podem ou não ser ativadas conforme nossos hábitos de vida. Mas é muito mais fácil falarem para a gente que doenças vem com a genética ou com a velhice. Assim sobram menos questionamentos e mais receitas de bolo que no fundo nunca nos curam de nada. Apenas suprimem os sintomas que deveriam servir de puxões de orelha para voltarmos a um caminho de saúde.
      Muito bom ver você por aqui, fique por perto! :]
      Beijo!

  6. Pingback: Bolo de caneca sem carboidratos – Mas divide com seus amigos… | Mais gordura, menos carboidratos!·

  7. Pingback: Cafézinho com óleo de coco, será? – Por que não… tem vários beneficios para sua saúde | Mais gordura, menos carboidratos!·

  8. Pingback: O Que Não Pode Faltar na Dieta? | NUTRIÇÃO DO FUTURO·

  9. Nossa… Eu nasci em 1974 e me lembro que minha mãe só cozinhava com banha, ela comprava um pacote e quando não tinha dinheiro para comprar, ela mesmo fazia em casa, comprava o que chamavam de pelancas no açougue, fritava em uma panela funda, depois separava o óleo que derretia e a pelanca virava torresmo para comer e por no feijão. Era tudo uma delícia, nunca tive problema de saúde quando era criança.

    • Exatamente, Cláudia!
      E muita gente usava também o Óleo de Coco.
      Uma pena essas gorduras terem sido trocadas por porcarias oxidadas que nos envenenam. Mas pouco a pouco vamos revertendo essa situação propagando informações de qualidade.
      Um abraço!

  10. Achei bem interessante o que escreveu. Estou pesquisando sobre óleo de coco e também sobre óleo de canola e de girassol. Acredito que para tomar óleo de coco no dia a dia, é preciso cortar os outros óleos da dieta. Não uso margarina, pois acho uma coisa nojenta. Faço bolos com manteiga, pois ficam bem mais saborosos. Será que posso usar o óleo de coco para preparar os alimentos na panela? Ainda tenho que descobrir também como substituir o óleo de girassol nas massas de liquidificador. Obrigada.

    • Oi Ana, tudo bem?
      O Óleo de Coco é uma das gorduras mais saudável que existe (senão a mais).
      É importante reduzir os carboidratos quando aumentamos a ingestão de gorduras. E sem dúvida retirar os óleos vegetais como milho, canola, girassol, soja (A não ser alguns orgânicos e prensados a frio, em doses moderadas).
      Pode usar tranquilamente o Óleo de Coco para fazer o que achar bom. Eu uso diariamente para ovos mexidos, peixes e frangos, mas podemos usar no que acharmos bom.
      Um abraço!

  11. Dúvidas: consumo há tempos e gosto, mas tenho que saber se faz mal consumir:
    – gordura hidrogenada vegetal?
    – óleo de amendoim?
    – óleo de chia?
    – óleo de gergelim?
    Adorei o blog e estou seguindo e aprendendo.
    Obrigada.
    😉

    • Adriana,

      Gordura vegetal hidrogenada faz o mesmo malefício que a gordura vegetal poli-insaturada, ou seja, ômega-6, pro-inflamatório, etc, etc e etc…. Talvez mais ainda porque foi manipulada e rançificou ainda mais. É melhor usar Óleo de Palmiste porque esse é naturalmente hidrogenado por Deus.
      Amendoim idem sendo que dependendo da matéria prima pode vir acompanhado de aflatoxinas. Mal negócio.
      Óleo de Chia – com que finalidade e qual a quantidade por dia ?
      Não dá pra cozinhar. Não vejo vantagem em se consumir GLA pensando que irá se transformar em Ômega 3 no nosso corpo.
      Óleo de Gergelim- De vez em quando em alguma receita arabe, etc.
      Fora disso, qual a vantagem ?

    • Oi Adriana, tudo bem?
      A gordura vegetal é péssima para nossa saúde. Recomendo que a retire o quanto antes da sua alimentação.
      Os óleos vegetais, desde que sejam prensados a frio, de boa procedência e não estejam rançosos, podem ser usados para temperar as refeições, mas em pequenas quantidades e sempre sem aquecê-los.
      Alguns são muito úteis e saudáveis.
      Que bom que gostou do blog! 🙂
      Um grande abraço!

  12. Olá
    Alguém conhece o óleo de coco de licuri?
    Parece que tem as mesmas propriedades do óleo de coco comum e é muito mais barato.

    • Parabéns !
      Se voce fosse meu aluno eu te dava nota 10.
      É preciso que as pessoas entendam o seguinte :
      1. A chamada vilinização, demonização ou satanização da gordura saturada foi iniciada em 1953 por um pesquisador, felizmente já falecido, chamado Keyes. Ele, na verdade recebeu dinheiro das industrias de óleos PUFA, notadamente o Mazola. Na época, não se exigia como hoje que fosse feita uma declaração de ausência de conflitos de interesse e os pesquisadores eram finaciados por industrias alimentícias e farmacêuticas. Todas as pesquisas que nortearam médicos e nutricionistas foram fraudadas e continham falsas informações.
      2. Médicos não estudam Nutrição nas faculdades de Medicina e , portanto, são ainda mais susceptíveis de serem engambelados por falsas pesquisas cujo objetivo é somente vender alguma coisa seja fármaco ou alimento industrializado.
      3. Se voce utilizar a “Lei do LaLanne) ( Jack LaLanne- http://en.wikipedia.org/wiki/Jack_LaLanne) jamais cometerá algum engano. Morreu aos 96 anos de idade sem ter ido uma única vez a nenhum médico ( mas poderia ter vivido outros 10 anos se tivesse ido pois morreu de pneumonia-mas ninguém é perfeito). Com relação a alimentação ele dizia “se o homem fez, não coma” e “Se for gostoso, cuspa fora”. Com isso queria dizer que se for alimento processado, com adição de açucar, adulterado, e não for 100% natural não merece ser consumido.
      Pode ser uma regra simplista mas funciona. Não precisa ser tão radical assim, mas o homem foi um fenômeno na sua época e reverenciado pelos maiores fisioculturistas de todos os tempos.

      Jose Luiz M Garcia

  13. Todos os óleos de palmeiras seja Cocus nucifera, LIcuri (ou Ouricuri),
    etc… tem uma composição bem semelhante. Se for puro (lembre-se que vivemos na Terra do Gerson) não teria problema algum principalmente se for usado para cozinhar. O Óleo de Coco é mais saboroso e portanto eu o uso puro as colheradas.

    J Luiz

Participe! Dê sua opinião! =]

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s